Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alinhamentos

alinhamentos

Ter | 08.01.19

Queira Deus que corra mal!

fcrocha

Comboio-ferrovia-linha-5-696x464.jpg

Este deve ser o pensamento dominante das oposições (oficiais e oficiosas) da nossa região.

 

Vem isto a propósito das declarações que o ministro Pedro Marques fez à jornalista do Verdadeiro Olhar sobre a linha ferroviária que poderá vir a ligar Valongo a Felgueiras.

 

O título da notícia diz: “É viável acreditar que vamos estudar a Linha do Vale do Sousa”. O que leu a oposição: “Se calhar nem vamos fazer o estudo”. Logo, sem tempo para lerem o corpo da notícia, num estilo de “quanto pior, melhor”, desataram as escrever comentários de chacota sobre o projecto.

 

Caso tivessem lido a notícia (lido e compreendido), descobririam que o Ministro afirmou que “está previsto começar a estudar o tema [a Linha do Vale do Sousa] no âmbito do Programa Nacional de Investimentos 2030” que será brevemente aprovado na Assembleia da República.

 

Mas o Ministro disse mais: disse que “percebe bem” esta reivindicação da região, porque “são concelhos com muita dinâmica económica e muita população também, muito fortemente integrados na dinâmica exportadora do país”. Por isso, o Governo “tem que olhar para outras regiões e ver se efectivamente a procura o justifica e quais as condições técnicas de execução desse tipo de investimento”.

 

Já aqui escrevi que não acredito na visão dos que dão a construção da linha como certa, como se fosse acontecer dentro de dias. Mas também não compreendo os pessimistas, para os quais a ideia é uma fantasia que jamais será possível alcançar.

 

A conferência sobre a ferrovia teve mérito: primeiro, porque pôs os políticos locais a discutir sobre um assunto novo; segundo, porque obrigou a Governo a estudar a possibilidade da construção de uma nova linha ferroviária e a pronunciar-se sobre o mesmo.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.