Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alinhamentos

alinhamentos

Sex | 21.03.14

Pensar e agir

fcrocha

Por estes dias, têm sido conhecidos os candidatos às eleições europeias. No dia em que escrevo este editorial, o Parlamento Europeu distinguiu a deputada portuguesa Edite Estrela pelo seu trabalho na área dos assuntos sociais. Para os mais distraídos, a senhora deputada tem, incessantemente, lutado para que o aborto seja obrigatoriamente livre em toda a União Europeia. Esta distinção da eurodeputada portuguesa envergonha-me enquanto português.

 

A este propósito, lembrei-me de dois momentos que me parece oportuno relembrar. O primeiro desses temas é o discurso que o Papa Bento XVI fez no Parlamento Europeu, em 2006. Nessa altura, o Papa lembrou os deputados que existem alguns assuntos que não são susceptíveis de serem negociados no domínio público: a protecção da vida humana, desde a concepção até à morte natural; o reconhecimento do matrimónio baseado na relação entre um homem e uma mulher; e a protecção do direito que assiste aos pais em educarem os seus filhos. Assuntos que a senhora deputada, juntamente com um lobby bem organizado e bem financiado, tentam contrariar.

 

O segundo momento de que me lembrei foi a iniciativa de Adriana Gonzalez, uma americana, casada, mãe de sete filhos, todos educados em casa. Esta senhora, por altura das eleições presidenciais americanas, pensou numa forma que ajudasse a influenciar a vida política. Uns meses antes, Adriana e o marido decidiram organizar um lanche em casa para partilhar as suas ideias e preocupações com alguns amigos. Reuniram-se 35 pessoas, que contribuíram com as suas ideias e chegaram a uma conclusão: não iriam apoiar nenhum candidato em particular, mas queriam que as pessoas prestassem atenção às questões não- negociáveis e que votassem de acordo com a sua consciência. Tal como na Europa, estavam em causa a liberdade religiosa, a defesa da vida e a obrigação dos Estados em financiar o aborto a pedido.

 

A seguir, tiveram a ideia de produzir um vídeo simples para transmitir esta mensagem aos eleitores. O proprietário da Creative Labs, ao saber da iniciativa deste casal, ofereceu-lhes todos os meios para a produção do vídeo e o seu canal no YouTube para o divulgar. Em menos de duas semanas, o vídeo “Test of Fire” teve mais de dois milhões de visitas.

 

Fruto da iniciativa deste casal, foram vários os candidatos ao Congresso e ao Senado que vieram a público declarar-se a favor da protecção dos princípios não-negociáveis que Adriana e o marido defendiam. Todos os que o fizeram publicamente foram eleitos.

 

Não sei o que cada um de nós pode fazer concretamente para influenciar a vida política e em especial as próximas eleições para o Parlamento Europeu, mas sei que cada um de nós pode, a exemplo da Adriana e do marido, pensar em qualquer coisa e agir.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.