Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alinhamentos

alinhamentos

Sex | 22.07.11

Inconsequente!

fcrocha

Há pouco mais de um ano, o vereador da Câmara Municipal de Paredes, Cândido Barbosa, acusou publicamente um funcionário de ter desviado mais de 21 mil euros. Em consequência disso, a autarquia despediu o funcionário.

 

Esta semana, a história volta às páginas dos jornais por causa de uma providência cautelar que obriga o município a readmitir o funcionário.  Mas isso é uma questão menor. A questão principal está na acusação que Cândido Barbosa fez. Na verdade, em vez dos tais 21 mil euros, o funcionário é acusado de desviar – espante-se! – 32 euros.

 

Como é que é possível um responsável político fazer uma acusação deste tamanho para no fim dar como provado uns trocos? E por ter desviado 32 euros um funcionário deve ser despedido? Na mesma câmara onde um outro, por acusações bem mais graves, foi suspenso mas manteve o vencimento?

 

Acusar alguém de ter roubado 21 mil euros e a seguir concluir que se trata de um de desvio de 32 euros é um acto de leviandade que tem que ter consequências. Cândido Barbosa não é inimputável.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.