Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alinhamentos

alinhamentos

Seg | 23.05.11

Fartos disto

fcrocha

Nas campanhas e pré-campanhas eleitorais, há gente que vira o seu discurso normal e inteligente para conversa de motorista de táxi (sem ofensa para os motoristas de táxi). Como não quero ofender esses profissionais, direi que o valioso argumento também é usado por alguns ouvintes profissionais, participantes dos fóruns de debate matinais das rádios e reza assim: "Os políticos são todos iguais, uns ladrões". Simultaneamente, sentenciam que a classe política que nos governa só merece ser presa, chegando mesmo alguns, com linguagem mais colorida, a declarar pena de morte, sussurrando com raiva e entredentes: "Eu matava-os a todos!".

 

Há ainda quem acrescente com ar saudoso: "O que nos falta é um ditador para pôr os desgraçados políticos na ordem e nos vermos assim livres de quem nos rouba todos os dias". Necessitamos de um Salazar, asseguram! Ou, então, outros mais saudosos do pós-25 de Abril e dos tempos da revolução asseguram que já não há políticos como os de antigamente, recordando com auréolas, não de santos mas antes de coroas de louros, nomes que fizeram história. Esquecem-se que tivemos também primeiros-ministros à frente do leme nacional como Vasco Gonçalves ou Pinheiro de Azevedo, quando andávamos alegremente em PREC revolucionários que achavam (ou melhor achávamos) que espantavam o Mundo.

 

O que espanta mesmo é o facto de estas teses serem defendidas sempre que há eleições, num coro de vozes a que alguma comunicação social dá tribuna. Nunca vi tal coisa em países de grande tradição democrática. Mas este barulho de fundo que acompanha os nossos actos eleitorais descredibiliza a democracia e, pior que isso, nivela todos os políticos, alguém a quem se chama "classe política" pela indignidade, a corrupção e a desonestidade.

 

Esta situação tem consequências dramáticas para quem encara a política como uma missão, como uma entrega ao bem comum, mas tem uma que sobreleva todas as outras: é que cria uma amnistia, um rótulo benigno sobre os que se servem da política gerando a ideia de que é mesmo assim, faz parte, já sabemos. Cria-se um véu de impunidade e de banalização da corrupção, da sem vergonha e da ausência de ética que põe em perigo a democracia e foi um dos factores que levaram Portugal ao estado triste e vergonhoso em que hoje se encontra. No entanto, é preciso consciencializar que a grande vantagem da democracia é exactamente a alternância. Mudar quem está no poder e não eternizar esse poder nas mesmas mãos anos de mais. Nem vale a pena referir as vantagens de afastar clientelas políticas que sem alternância se eternizam, não a servir o país mas a servir-se do poder, mas centralizar a atenção nas políticas, na capacidade de invertê-las, de arrepiar caminho, corrigir erros e injustiças que nos levaram ao abismo onde hoje Portugal se encontra.

 

A alternância do poder entre Direita ou Esquerda, ou entre conservadores e trabalhistas, é o que move as democracias e as diferencia das ditaduras populistas, muitas vezes assentes em eleições fantoches que eternizam ditadores no poder. Por isso, as democracias são sempre mais capazes de criar justiça social, de defender os mais pobres e criar mais justiça social com melhor repartição da riqueza de um país.

Por isso, as ditaduras terminam com ditadores em fuga, deixando um rasto de muito sacrifício e de muitas vítimas de gente de coragem. Nas democracias, com todos os defeitos e as crises que por vezes as tocam, a mudança é possível e a arma é o voto. Só a mudança pode trazer alguma esperança a um país em recessão, sem futuro, endividado e empobrecido.

 

Zita Seabra
Jonal de Noticias, 2011-05-15

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.