Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alinhamentos

alinhamentos

Sab | 20.03.10

Ainda Freamunde e o abandono da Citânia de Sanfins

fcrocha

Freamunde ingovernável I. Todas as semanas recebo e-mails ou telefonemas com reacções ou comentários ao conteúdo do jornal. Esta semana, recebi um e-mail de um leitor com uma sugestão, que me parece lógica, para a situação que se vive em Freamunde. Uma vez que os partidos não se entendem, e a lei nada diz sobre o que fazer em casos como estes, o leitor propõe que seja adoptado o Método de Hondt. Afinal, para a eleição dos membros da Assembleia de Freguesia foi usado o mesmo método. Neste caso, aplicando o Método de Hondt, daria três elementos para o PSD e dois para o PS. Na Assembleia de Freguesia, a oposição continuaria a ter a maioria.


Freamunde ingovernável II. De facto, a sugestão do leitor parece-me ter toda a lógica. O que não tem lógica é a proposta de um referendo, sugerido pelos socialistas. O PS quer que os freamundenses digam nas urnas o que pretendem. Mas não foi isso que fizeram em Outubro? Se o PS está interessado em saber o que pensam os eleitores, tem uma solução mais eficaz que o referendo: eleições. Basta que todos os candidatos socialistas renunciem ao mandato. Ficaria o problema resolvido, para além de não correrem o risco de fazer um referendo que no fim poderá não ser vinculativo.

 

Citânia abandonada I. A Citânia de Sanfins foi classificada pelo IPPAR como monumento nacional e é uma das mais importantes zonas arqueológicas da civilização castreja na Península Ibérica. São cerca de 15 hectares que nos ajudam a perceber como vivia a civilização por volta do século III aC.


Citânia abandonada II. Será que o monumento é assim tão importante para o concelho? Parece que não. De Paços de Ferreira até à citânia não existe qualquer sinalética. Chegados ao local, deparamos com um monumento abandonado, sem um único vigilante ou guia e com a casa do núcleo familiar fechada à chave. No passado domingo eram muitas as famílias a visitarem a citânia – a minha também – cada uma por sua conta e risco. O monumento tem mais importância do que aquela que a Câmara Municipal lhe dá.