Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alinhamentos

alinhamentos

Ter | 06.11.18

Fogo de vista

fcrocha

Por estes dias, o Governo anunciou a diminuição do valor das propinas para os estudantes das universidades públicas. Aparentemente, a medida pode até parecer socialmente benéfica, mas, na verdade, não passa de uma medida iníqua e com um resultado quase nulo para as famílias carenciadas.

Um estudante de uma universidade pública paga, em média, cerca de 88 euros por mês em propinas. A redução deste valor em alguns euros não é significativa para a globalidade dos estudantes, mas fará muita falta aos cofres das universidades públicas que passam por um grande aperto financeiro.

No entanto, ao reduzir este valor para todos os estudantes, independentemente da sua condição económica, o Governo está a beneficiar as famílias menos necessitadas.

Se o Governo entende que tem margem orçamental para baixar o valor das propinas, então deverá aplicar esse dinheiro de forma a socorrer os estudantes com maiores dificuldades económicas. Neste momento, as maiores necessidades são mais bolsas de estudo e mais residências universitárias com preços controlados pela universidade.

Hoje, um estudante que não tenha a felicidade de ficar colocado numa universidade perto de casa, paga mensalmente 88 euros de propinas e cinco vezes mais por um quarto para dormir e estudar. Creio que é urgente corrigir esta situação.

Sex | 02.11.18

Os receios de Camilo depois de morto

fcrocha

20181020_DSC_0033.jpg

 

Nós católicos celebramos neste 2 de novembro os Fiéis Defuntos, recordando todos aqueles que já deixaram este mundo. Por isso, partilho uma foto do cemitério da Ordem da Lapa, aquele que é o mais antigo da cidade e o mais romântico. A foto é do jazigo de Freitas Fortuna, um bem-sucedido homem de negócios da Rua das Flores. É aqui que está sepultado Camilo Castelo Branco, que era amigo da família. Embora tradicionalmente as senhoras ficassem nas gavetas de cima do jazigo, Camilo Castelo Branco é excepção, por vontade própria. Pois, como tinha fama de se envolver com algumas senhoras casadas, tinha receio que depois de morto os maridos urinassem na sua campa. Por isso, deixou escrito em testamento que era sua vontade ficar numa gaveta superior. E lá está, como podem ver na foto.  

 

Qui | 01.11.18

Um ano de política autárquica: os poderes

fcrocha

Se há duas semanas fazíamos um breve balanço sobre as oposições, chegou a altura de passar os olhos por este primeiro ano de mandato dos executivos municipais da região.

 

Comecemos por Lousada. Este primeiro ano foi tranquilo no que respeita à governação. No entanto, parece-nos que Pedro Machado poderá ter chamado a si demasiados pelouros trabalhosos. Desse modo, ao não delegar alguns desses pelouros nos seus vereadores, reduz o seu tempo disponível para estar mais próximo da população. Isto deveria preocupar o PS de Lousada, pois a vitória pouco expressiva nas últimas eleições e o aparecimento de um adversário que é político de carreira poderão dificultar uma eventual reeleição.

 

Em Paços de Ferreira, depois da reeleição pelo resultado mais expressivo de toda a região, Humberto Brito tem tudo para passar um mandato tranquilo. No entanto, neste primeiro ano, o tarifário da água para o pequeno comércio – que permite que comerciantes que gastam água paguem menos do que os que não gastam água nenhuma – ganhou contornos mediáticos desnecessários. É de realçar, neste primeiro ano, a intenção de criar uma empresa municipal para a recolha do lixo, numa tentativa de resolver aquele que é, neste momento, o problema maior daquele concelho.

 

Por Paredes, é tudo novo: quer o presidente, quer o partido que governa. Neste primeiro ano, Alexandre Almeida parece ter gasto mais tempo na caça às bruxas e nos ajustes de contas com algumas pessoas ligadas ao anterior executivo do que propriamente a governar. A verdade é que, um ano depois, a única mudança sentida pela população foi o aumento do número de festas, que decorrem umas atrás de outras. Isto só não é mais grave para o PS porque, neste momento, não tem uma oposição forte. Embora o povo diga “quem muda, Deus ajuda”, os resultados deste primeiro ano de mandato deixaram muito a desejar, certamente fruto da inexperiência do novo executivo. Por isso, espera-se que o adágio popular se torne verdade daqui para a frente.

 

Em Penafiel, Antonino de Sousa passou este primeiro ano com o seu trabalho escondido por algumas nuvens. Uma delas foi o relatório da Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL) que atirou o município de Penafiel para os piores lugares da região no que toca ao aumento da dívida e ao prazo médio de pagamento a fornecedores. É certo que estes resultados são fruto do não-cumprimento, por parte do Estado, do pagamento dos fundos comunitários, mas, mediaticamente, essa explicação parece não ter chegado à população. Se é verdade que tudo isto assombrou o início do mandato, também é verdade que este primeiro ano terminou com o anúncio da criação de captação de novas empresas para o concelho e a criação de cerca de mil novos postos de trabalho. É de realçar que, na região, foi o único município a prestar contas, de forma concreta, do primeiro ano de mandato.

 

Quanto a Valongo, depois de um primeiro mandato em que esteve refém de uma oposição em maioria e pouco colaborativa, o PS local conseguiu a maioria absoluta e José Manuel Ribeiro deixou de depender de reuniões de executivo semanais e condicionadas. De forma hábil, tratou de fazer no início do mandato todos os aumentos de preços de bens e serviços que havia para fazer – por exemplo, na água e na recolha do lixo –, provocando todo o ruído mediático daí resultante enquanto dispunha do chamado “estado de graça” e deixando para uma fase seguinte o anúncio das medidas que lhe são mais favoráveis. O certo é que, ao final de um ano, a estratégia funcionou: as várias medidas positivas que tem vindo a apresentar apagaram qualquer ruído que ainda existisse das reacções aos aumentos dos preços do início do mandato.