Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alinhamentos

alinhamentos

Sex | 30.07.10

Editorial de 30 de Julho de 2010

fcrocha

Nem para comer. O ano lectivo já terminou há quase um mês e o Estado português, neste caso a Direcção Regional de Educação do Norte, ainda não pagou as refeições dos alunos do ensino pré-escolar, referentes ao segundo e terceiro períodos. É o maior atraso de sempre no pagamento das refeições do pré-escolar. O dinheiro que vem do Estado através da DREN é transferido para as câmaras municipais que, por sua vez, canalizam-no para as juntas de freguesia. É a estas que cabe pagar as despesas com as refeições destes estabelecimentos de ensino. Há juntas que já são credoras em mais de 70 mil euros. Há presidentes de junta que têm que pôr dinheiro do próprio bolso para pagar os ordenados às cozinheiras. Quando o próprio Estado não cumpre com a mais elementar das obrigações, que é garantir os ordenado a quem trabalha para o Estado, algo vai muito mal.

 

Saber estar. Um homem foi ter com um amigo que vendia castanhas junto a um banco. Quando lá chegou pediu-lhe dez euros em prestados. O vendedor, que já conhecia a fama do amigo e que tinha a certeza de que este não pagava, disse-lhe: “Não te posso emprestar o dinheiro”. “Então porquê?”- perguntou o amigo. “É que para vender aqui à porta do banco fiz um acordo com eles. Nem eles vendem castanhas, nem eu empresto dinheiro”. 

 

Esta anedota vem a propósito da última Assembleia Municipal de Paredes. Com ausência de Celso Ferreira e Pedro Mendes, coube a Raquel Moreira da Silva a representação da câmara municipal naquela assembleia. Coincidência ou não, o chefe de gabinete de Celso Ferreira resolveu ocupar o lugar de deputado municipal que havia suspendido no início do mandato. Durante a reunião tivemos um presidente da assembleia a tentar manipular as intervenções da vereadora Raquel Moreira da Silva, o deputado municipal Luciano Gomes a pôr-se em bicos e a tentar substituir Celso Ferreira. Na fotografia final, apenas Raquel Silva sai bem. Mostrou ao seu PSD que o lugar de vereadora não lhe saiu num pacote de batatas fritas. Está lá por mérito próprio.