Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alinhamentos

alinhamentos

Sab | 17.07.10

Falta de mobilidade

fcrocha

Numa região com bandeiras da mobilidade é bom (re)lembrar que continuam a existir imensas barreiras intransponíveis para qualquer deficiente motor, ou, pelo menos, para os que necessitam de se deslocar numa cadeira de rodas.

 

Numa região onde ainda há muito por fazer ao nível das acessibilidades para deficientes, e por mais que se fale e escreva sobre a necessidade e a importância de eliminar as barreiras físicas, que continuam a dificultar e mesmo a impedir a completa integração social dos deficientes, a câmaras municipais pouco ou nada têm feito nesse sentido.

 

As barreiras arquitectónicas são o maior obstáculo dos deficientes motores e invisuais, constituindo o motivo de muitas idas aos hospitais. Para um deficiente, um simples passeios pelas ruas da região torna-se uma aventura perigosa. Há autênticas armadilhas. Quase todos os concelhos da região têm grandes dificuldades em termos de acessibilidades a edifícios e é este problema transversal, porque as acessibilidades são importantes para as pessoas com deficiência, mas também são importantes para a população idosa, para as grávidas, para as pessoas que têm bebés e para o comum do cidadão.

 

 As barreiras arquitectónicas surgem por todo lado.

 

É urgente solucionar este problema. Gestos tão simples quotidianos como sair de casa, atravessar a rua ou entrar num edifício público podem tornar se obstáculos impossíveis de transpor. É necessário que as câmaras municipais tenham vontade política e técnica para fazer um estudo sério sobre esta matéria e avancem de forma paulatina e gradual. É importante que se caminhe de forma a resolvê-lo o mais breve possível.

 

Os cidadãos com mobilidade condicionada são pessoas normais que apenas querem consolidar a sua integração na sociedade.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.