Sexta-feira, 11 de Novembro de 2016

O início do fim

De todos os executivos municipais da região, aquele que mais tempo gastou a queixar-se do anterior executivo foi o de Paços de Ferreira. Nestes últimos três anos não deve ter havido uma única semana em que os socialistas de Paços de Ferreira não se queixassem da anterior de gestão do PSD, uma vezes para se desculparem, outras porque, provavelmente, não tinham mais nada para dizer à população.

Durante três anos, Humberto Brito e a sua equipa tentaram criar um ambiente politico subordinado à ideia de que, afinal, o PSD tinha sido um descalabro na gestão autárquica pacense. Tudo anunciado publicamente ou soprado à comunicação social “amiga”, com pompa e circunstância. Tudo alicerçado em palavras e em grandes tiradas retóricas.

Com a chegada das eleições autárquicas, os socialistas de Paços de Ferreira vão ter que demonstrar se foram, ou não, capazes de fazer melhor. Na maioria dos casos parece que «a montanha pariu um rato»: A água continua a ser uma das mais caras do país; a concessão de água e saneamento não foi remunicipalizada; a Associação Empresarial de Paços de Ferreira encontra-se praticamente falida; algumas das maiores empresas de mobiliário saíram do concelho; a PFRInvest faliu sem se conhecerem ainda as consequências para o concelho; e o prazo de pagamento médio da Câmara Municipal aumentou, ao contrário do que tem acontecido nos concelhos vizinhos.

Mas não chega apenas tirar a prova dos factos, é preciso tirar duas conclusões politicas desta realidade.

A primeira conclusão politica a tirar é a que o executivo PS tentou prolongar artificialmente o julgamento desgastando o PSD. Sempre num exercício de campanha permanente.

A segunda conclusão a tirar é igualmente clara: Humberto Brito quis tentar baixar as expectativas que criou nos eleitores, cobrindo-se de desculpas para as promessas que não pôde cumprir, atirando responsabilidades para cima dos outros, face aos insucessos e consequências que inevitavelmente acarretou e acarretará no concelho.

O PS chegou ao poder defendendo a ideia de que todo o concelho estava um descalabro. Paços de Ferreira era um verdadeiro caos. Foi com base nessa realidade de caos que o PS conseguiu fazer as promessas de tudo e mais alguma coisa aos pacenses. Nos últimos três anos o PS governou em maioria e com um PSD – quase sempre – adormecido, ou seja, sem oposição. Se não fez foi porque não quis ou porque não soube fazer.

alinhado por fcrocha às 16:34
Quarta-feira, 06 de Abril de 2016

Uma trapalhada

Quando Humberto Brito chegou à presidência da Câmara Municipal de Paços de Ferreira levou um conjunto de intenções, em t...

alinhado por fcrocha às 19:04
Quinta-feira, 09 de Outubro de 2014

Erro de palmatória

Na última campanha eleitoral para as eleições autárquicas, o Partido Socialista de Paços de Ferreira usou – até à exau...

alinhado por fcrocha às 11:25
Sexta-feira, 16 de Maio de 2014

Isenção ideológica

Esta semana, ao escrever o editorial, tive dificuldade em saber onde colocar este texto: no “Sobe” ou no “Desce”? Nas ...

alinhado por fcrocha às 09:18
Quinta-feira, 10 de Abril de 2014

A estratégia do Coelho

No clássico de Lewis Carrol, “Alice no País das Maravilhas”, há uma passagem em que Alice chega a uma bifurcação e pergu...

alinhado por fcrocha às 12:59
Quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2014

O esquema é sempre o ...

Antes das eleições autárquicas entrevistei Humberto de Brito, na altura, candidato do PS à Câmara Municipal de Paços de ...

alinhado por fcrocha às 10:15

mais sobre mim

Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
24
26
27
28
29
30
31

pesquisar

 

comentários recentes

  • Concordo plenamente com as criticas aqui apresenta...
  • Já não erraram tudo!
  • Aconselho a leitura deste texto.https://www.facebo...
  • Devo dizer que concordo com o artigo, excepto a qu...
  • Pense apenas em duas coisas: 1ª todos falam da TAP...