Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

Só falta fazer um desenho

Está aberta a época. Não a futebolística, embora esta também se faça de equipas, jogos e rasteiras, mas a das eleições autárquicas.

O pontapé de saída foi dado, em Paredes, por Rui Moutinho. Perguntará o leitor: por quem? Por Rui Moutinho. Pode parecer um ilustre desconhecido, mas já perceberá que o assunto tem mais importância do que parece.

Rui Moutinho é o actual Director Financeiro do município e ontem apresentou a sua candidatura à presidência da Câmara Municipal de Paredes, sem o logótipo de qualquer partido, o que, à partida, poderia aparentar uma candidatura independente. Mas não é.

A sala onde decorreu a apresentação da sua candidatura estava repleta de figuras públicas, todas ligadas ao PSD local. Para além de Celso Ferreira, o actual presidente da autarquia, estava o vereador Manuel Fernando Rocha, o líder da bancada do PSD na Assembleia Municipal, José Manuel Outeiro, a maioria dos elementos da Comissão Política Concelhia do PSD e, não menos relevante, 12 dos 13 presidentes de Junta de Freguesia eleitos por aquele partido, para além de outras figuras relevantes na vida do partido, como Maria João Fonseca, Filipe Silvestre Carneiro, José Mota, entre outros.

O símbolo do PSD não estava lá, mas o PSD real estava, quase na sua totalidade. Quem olhava para a composição da plateia percebia claramente que aquela era uma candidatura do PSD.

Tudo isto levanta uma questão: o que fará Pedro Mendes, o presidente da Comissão Politica Concelhia do PSD, perante tudo isto?

Antes de mais, importa salientar que o presidente de uma comissão política não tem que ser necessariamente o candidato à Câmara Municipal. Nas últimas eleições autárquicas em Paços de Ferreira, em Penafiel e em Lousada, só para referir os concelhos vizinhos, o presidente da comissão política não foi o candidato à Câmara Municipal.

Posto isto, a Pedro Mendes restam-lhe duas opções. A primeira, diria a mais inteligente, é saber interpretar o sinal que o partido lhe enviou através da maioria dos elementos da sua comissão política e de quase todos os presidentes de junta, desencadear o processo de apoio institucional ao candidato e tentar que durante o seu mandato o PSD volte a ganhar umas eleições autárquicas. Se assim for, sai reforçado no seio do partido. A segunda é, caso discorde da decisão tomada pela maioria dos seus colegas, abandonar a presidência da Comissão Política.

Há uns anos, os militantes mais influentes do CDS de Paredes decidiram que o já falecido José Manuel Oliveira seria o melhor candidato à presidência da Câmara Municipal. Na altura, Manuel Teixeira era o presidente do partido no concelho e discordava da opção. Mas, como essa era a vontade da maioria, saiu da presidência da Comissão Política, para não condicionar o processo autárquico.

Pedro Mendes pode optar por uma solução idêntica, mas isso pode deixá-lo à margem da vida partidária nos próximos anos. Pode também optar por criar obstáculos, como devolver pelouros ou dificultar a gestão do município, mas tais retaliações imaturas e pouco inteligentes não se coadunam com o perfil do vereador.

Dir-me-á o leitor: mas Rui Moutinho não é conhecido. Respondo: não era. Mas já não estamos a falar dele?...

alinhado por fcrocha às 16:39
tags: ,

mais sobre mim

Setembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
29
30

pesquisar

 

comentários recentes

  • Concordo plenamente com as criticas aqui apresenta...
  • Já não erraram tudo!
  • Aconselho a leitura deste texto.https://www.facebo...
  • Devo dizer que concordo com o artigo, excepto a qu...
  • Pense apenas em duas coisas: 1ª todos falam da TAP...