Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2012

As barrigas não se alugam

O desenvolvimento do bebé ao longo de nove meses na barriga materna, os pontapés e os incómodos no final do tempo são passos que a natureza criou para ensinarem qualquer mulher a ser mãe.
 
Nos próximos dias, o Parlamento prepara-se para aprovar uma lei que permite o recurso a barrigas de aluguer em casos de infertilidade. Para lá de outros considerandos relativos a quem pode ou não recorrer a esta possibilidade, importa perceber o que está em causa.
 
A gravidez é uma parte imprescindível do processo da maternidade, não só física, mas também afectiva e psicológica. O desenvolvimento do bebé ao longo de nove meses na barriga materna, os pontapés e os incómodos no final do tempo são passos que a natureza criou para ensinarem qualquer mulher a ser mãe.
 
É claro que os avanços da ciência nos dias que correm já permitem o recurso a inúmeras técnicas que, nos últimos tempos, nos chegaram a tentar convencer que até os homens já podem engravidar.
 
A questão é que nem tudo o que o homem já sabe fazer deve pôr em prática e o caso das barrigas de aluguer é um desses casos. Não por impedimentos científicos, mas por questões éticas e morais, como sejam a de resolver o conflito entre duas mulheres que reclamam a maternidade de uma mesma criança, sendo que uma forneceu o óvulo e outra gerou, ao longo de nove meses na sua barriga, uma vida que, sem isso, não teria condições de sobreviver.
 
Raquel Abecasis

 

 

alinhado por fcrocha às 12:05
tags:

mais sobre mim

Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
18
19
21
22
23
24
25
26
27
30
31

pesquisar

 

comentários recentes

  • Concordo plenamente com as criticas aqui apresenta...
  • Já não erraram tudo!
  • Aconselho a leitura deste texto.https://www.facebo...
  • Devo dizer que concordo com o artigo, excepto a qu...
  • Pense apenas em duas coisas: 1ª todos falam da TAP...